Gente da Gente
Tendência

Sônia Menezes Pizzo – A Querida Patricia

A querida Patrícia recebeu o nome de batismo de Sônia Meneses Pizzo, nasceu no dia 06 de janeiro de 1931 em Franca, no dia de Santos Reis. Filha de Jerônimo Guido Menezes e Dona Albertina Moreira da Silva, ele motorista de praça e a mãe dona de casa.

Sua mãe fez questão de que a filha mais estudasse no melhor colégio da cidade, o Colégio de Lourdes, que era frequentado por garotas da alta sociedade de Franca. Neste local, Sonia entendeu que para realizar seus sonhos teria que ser mais forte e não deixar se abater pelas dificuldades. Sofreu preconceito por ser de família humilde, mas venceu e conquistou o carinho das madres que coordenavam a instituição e, com muito estudo e determinação, formou-se professora.

Foi na época do colégio que conheceu o amor da sua vida, Américo Pizzo, com quem se casou e teve dois filhos, Américo Pizzo Junior e Mauro Menezes Pizzo. Os dois se conheceram na Praça “Nossa Senhora da Conceição”, onde os jovens se encontravam para flertar com as moças.

Patrícia ousou enfrentar o preconceito de tempos idos para mudar a sua vida e escrever uma nova história. E assim o fez.

Aos 27 anos começou sua carreira no colunismo social. Em 1958 o saudoso Dr Alfredo Henrique Costa, então diretor do jornal Comércio da Franca concede a Patrícia uma oportunidade que mudaria o caminho de sua vida. Meio a muito preconceito por ser uma pessoa humilde junto a alta sociedade francana, aos poucos foi ganhando notoriedade e sagrou sua carreira enfrentando calúnias e até perseguição, mas nada a afastou de sua determinação.

A Querida Patrícia teve uma vida de resiliência e muita fé. Apesar da perda do seu grande amor em 1985 e subsequente perdeu seus tesouros maiores, seus dois filhos no auge de suas vida. Mas no dia seguinte, já estava a postos com o microfone em punho com o propósito de vencer. Se tornou referência pelas atitudes e força de vontade.
Trabalhou por 32 anos no Jornal Comércio da Franca, depois 21 no Diário da Franca e por fim voltou ao Comércio com uma página aos sábados e página dupla aos domingos, com o nome Patrícia.

Patricia em Família, sempre espalhando alegria.

Em 28 de setembro de 1970 foi agraciada com o título de Cidadã Emérita de Franca pelo Dr. Fábio Liporoni na Câmara Municipal.
O rádio também sempre foi sua paixão, tanto que passou pela radio Imperador, Difusora, Hertz, União FM, e agora, de novo, está aos sábados na Difusora, das 10h ao meio dia. Sua carreira é longa também na TV regional. Há quase trinta anos está na TV Record, tendo passado também pela TV Clube/Bandeirantes.
Em 1997 casou-se novamente com Cecílio Jorge.
Dentre seus principais feitos, sem dúvida a fundação da APAE e ter sido a madrinha da FRANCAL ficarão eternamente gravados na história.

Em 2011 ganhou sua biografia que recebeu o título de “Querida”, assinada por Lucia Helena Maniglia, patrocinada pela Francal Feiras, sua história foi misturada à história de nossa cidade, do Brasil e até do mundo.

Além de participar de vários momentos importantes da construção da cidade, tanto na política, como na economia, no comércio, e claro, sem deixar o lado social de lado. Tem o respeito não só dos francanos, como também em várias cidades do interior paulista e capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Sempre sonhadora e acima de tudo realizadora, lutou e luta para que Franca e seus cidadãos tenham destaque e um grande crescimento social, político e espiritual, não fazendo distinção de nível social, grau de escolaridade, raça, opção sexual e credo.
Patrícia é a embaixadora de Franca. Para os seus companheiros de imprensa ela é referência, exemplo de dedicação, integridade e de como se deve trabalhar.

Patrícia por ela mesma… prepara o lenço.

Patrícia sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) em 13 de agosto de 2020. Depois de permanecer internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Regional até 28 de agosto, a colunista foi transferida no dia 10 de setembro para a clínica.
A menina pobre que reiventou o colunismo de Franca faleceu dia 07 de Agosto de 2021, deixando um legado sem igual.

A Patrícia é a número um da comunicação, a diva, o ícone e símbolo maior da imprensa em nossa cidade.
Patrícia amava Franca!

Era Gente da gente!.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Detectamos um bloqueador de anúncios em seu navegador. Para uma melhor experiência de navegação no site do Grupo Amo Franca, desative seu bloqueador para o nosso site.